Nem eu mesma sei.


Parece que não é mais...
Parece.
A certeza nem me resta mais,
nem os sorrisos, os beijos, os laços.
O que poderia te dizer agora?
Mas como dizer, não me resta mais voz,
perdi quando te procurava por entre as ruas.
Ainda não entendo, não aceito tudo que me aconteceu.
Fico cantando pelos cantos,
contando a ela
[a criatura que me segue, que me é fiel]
meus pensamentos, só ela me entende.
Sei o que procuro, mas não sei se ainda existe.
Sei o que quero, mas não tenho.
A saudade ainda permanece,
as lembranças me devoram a cada segundo,
as canções não pararam de tocar
e o teu perfume ainda permanece aqui,
Mas até quando?
Nem eu mesma sei, não sei.

Luana Almeida.

Nenhum comentário: