Eu.

Falar sobre mim a mim é desafiar dragões.

Dayana Almeida

























Meu rostinho contemplou um paraíso distante 
e sorriu desde um sempre antes nascer. 
Fui em busca do que era meu , fui correr por mim e pelas donas de mim. 
Nem morri de medo, nem tremi... vivi.
O dengo que me cabia ainda me vale um tostão de dom.
As lágrimas de meu rio, o pranto e o abandono repousou um pouquinho
e os pássaros vieram ao meu encontro cantar as canções que eu precisava ouvir.
Pare com isso, passarinho tonto. Cantar a minha deusa o que eu faço não é direito teu.
Eu ainda me pergunto onde vai dar tudo isso... mas eu sei, bem sei.
Encontra aqui uma outra Criatura, uma outra Flor
Minha alma é a mesma, mas dessa vez tamanho não cabe mais em mim... cresci. 

Mergulhada em mim... voltei.
Tenho dó e lá. 

3 comentários:

Produção Sem Roteiro disse...

Muito bom seu Blog, palavras de extrema sensibilidade, deu pra sentir. Ja to seguindo seu blog.

Beijo

Aline Camilo disse...

Lindo Lu!!! ^^

Anônimo disse...

Crescida criatura. Parabéns.

Abraços