Proteja-me, guri.

"Sentimentalismo me cabe."

Brooke Shaden

























Só.
Meus olhinhos cheio d'um rio meu que transborda dentro de mim.
Tempestuosa sinto minha alma aos poucos cair de dor e solidão.
Se queres me partir, se querem me partir eu já não suponho mais.
Durou a dor e o dom, morreu o irreal e a realidade me veio tamanha.
Deu medo, caí nos braços do seu moço, do meu guri e derramei todo o rio em mim
e ainda há de ter água dos deuses em meu olhos, parece querer lavar algo.
Talvez lave meu céu, minha alma, meu jardim, minha flores.
Agora eu entendo os passos que deveriam ser dados pra trás. 
Vai demorar seguir assim... mas tento.
Prometo não morrer de amores, prometo não enganar-me, 
mas que seja sempre assim, meu amigo, meu refúgio. 
E que a morena de lá entenda que teu amor (também) é meu.

"Os primeiros passos,
os primeiros medos."

2 comentários:

Isadora Peres disse...

Ai, minha flor... Sei como é essa vontade de transbordar choros e não querer parar mais... Melhoras, linda! Gosto de te ver sorrindo, feliz! Beijos enormes e um abraço apertado.

Luana Almeida disse...

Obrigada, minha flor.

Flores!