Meu cuidar.

Cuido da minha Criatura para que
ela nunca fuja de mim.

Karolina Bazydlo

















Por desordem ou desamor
prefiro cuidar, obedecer.
Tuas escritas me enlaçam a cada
dia aos teus cachos.
Me fascino, me perco em teus olhos,
em tua alma.
E ela já foi tão Pequena,
criança de mãe, filha do pai.
Hoje ela é pagã, poeta, profeta.
Diz o que lhe vem da alma,
alimenta-se do ar, aspira o Chico,
amarra tuas coisas, concentra-se no importante.
Sinto-me leve em ver tudo se torna assim,
Criatura grandiosa.
E a embalo, a alimento, cuido até que
repouse nos céus ou no teu inferno.
Não quero perder esse ser,
não quero que caia de meus braços.
E que nunca seja pura, não a quero
santa e nem tola.
Que seja Criatura, que seja homem,
mulher, criança, descrente, esperançosa.
E que minha vida seja sempre embalada
por suas palavras, por tua escrita doce e sublime.
Que nunca se perca a tua essência.

"Cuido de ti, não quero que se vá de mim,
minha coisa, minha Criatura."


"Me faço poeta para 
não morrer como os outros seres.
Quero minha alma viva!"

4 comentários:

Ana Paula Borges disse...

Hey moça...^^
Quanto tempo n falo contigo...
Lindo poema viu?=)

Natália Rocha disse...

Tão lindo!
Tudo que sai da sua alma é intenso e verdadeiro. Sempre viva.

beeijos*

Jéssica Trabuco disse...

Lindos e lindos versos!

Luana Almeida disse...

Obrigada, meninas. ^^

Flores!